Vila Mariana

O primeiro cemitério israelita do Estado de São Paulo foi fundado em 1919. Até então, os judeus eram sepultados nos cemitérios municipais, já que a Constituição Federal, de ideal republicano e de defesa do caráter laico do Estado, proibia a existência de cemitérios particulares.

A promulgação da lei municipal nº 2.191, naquele ano, autorizando a criação de cemitérios de ordens religiosas inclusive, estimulou a comunidade de imigrantes judeus que se instalava na cidade a fundar um campo santo próprio para honrar os ritos e tradições milenares.

Com a colaboração fundamental do empresário Maurício F. Klabin, que doou à prefeitura um terreno de 5 mil metros quadrados, situado ao lado do cemitério municipal da Vila Mariana – que data de 1904 –, foi erguido o cemitério israelita.

O primeiro sepultamento foi realizado em 1920 e, três anos depois, surgia a Associação Cemitério Israelita de São Paulo – Chevra Kadisha, com a função de administrar o local e cuidar do serviço funerário da comunidade judaica.

Já com a vida útil esgotada, hoje o local é parte da memória da coletividade e abriga um Memorial, no lugar da antiga Casa de Tahara (purificação, em hebraico – onde os corpos eram preparados para o sepultamento). Nele, através de painéis e fotografias, é contada a história de fundação do cemitério em paralelo à formação da comunidade judaica em São Paulo.


Galeria de imagens